Categorias
Simples Nacional

DASN-MEI 2022: mesmo com prazo encerrado, ainda é possível regularizar situação

O microempreendedor individual (MEI) ainda pode pagar a multa por atraso e regularizar a situação, com desconto para acerto em julho.

O prazo para envio da Declaração Anual Simplificada do Microempreendedor Individual (DASN-MEI) foi finalizado no dia 30 de junho de 2022, mas empreendedores que ainda não entregaram a documentação, ainda têm tempo para regularizar a situação.

Mesmo com a possibilidade de regularização, automaticamente, ao não enviar a DASN até a data limite, o sistema gera uma multa de R$50, que cai para R$25 caso o MEI efetue o pagamento neste mês de julho.

A recomendação da Receita Federal é que todo MEI que atuou em qualquer período de 2021 faça a declaração, mesmo com o pagamento da multa, para evitar transtornos. O empreendedor só conseguirá gerar o documento de arrecadação mensal do Simples Nacional se entregar a DASN-MEI.

Por consequência, se atrasar o pagamento das parcelas de contribuição mensais, o empreendedor pode ter os benefícios previdenciários bloqueados. Outra consequência é ficar impossibilitado de parcelar débitos do MEI relativos ao período abrangido pela declaração enquanto não declarar.

“É muito importante que ele entregue a sua declaração de faturamento, pois só assim vai conseguir ter a regularidade do seu empreendimento. Caso precise, por exemplo, contratar algum serviço financeiro, o MEI precisa da sua regularidade como empresa. Além disso, se ele não fizer a sua DASN, não vai conseguir gerar as próximas guias de pagamento mensal do ano corrente”, detalha a analista de Relacionamento com o Cliente do Sebrae Sylvia Pinheiro.

A transmissão da DASN-MEI pode ser feita com orientação do Sebrae pelo 0800570800, pelo Portal Simples Nacional ou pelo aplicativo APP MEI, disponível para download nas lojas de aplicativos Google Play, para o sistema operacional Android, ou Apple Store, para o sistema operacional iOS.

Com informações Agência Sebrae

Fonte: Contábeis

Link: https://www.contabeis.com.br/noticias/52370/dasn-mei-2022-ainda-e-possivel-regularizar-o-envio/

Categorias
Simples Nacional

CNAE Simples Nacional: Entenda tudo sobre este assunto!

Sendo um dos regimes tributários que são mais optados pelas pessoas que estão abrindo empresas, é importante se atentar se seu tipo de empresa está dentro da lista de CNAE Simples Nacional. Isso porque apesar da lista de empresas que podem se enquadrar nesse regime, ainda existem aquelas que não podem.

E saiba que de fato, é necessário se atentar a isso para que o planejamento não seja desenvolvido de forma errada. Então para que você entenda tudo sobre o assunto, vamos falar tudo o que precisa compreender sobre o assunto de CNAE Simples Nacional.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é BANNER-768x395.png

CNAE Simples Nacional: mas o que é CNAE?

Sendo a sigla para Classificação Nacional Econômica, este é a identificação criada pela Receita Federal para que a tributação e cobrança de demais valores fosse feita de forma simplificada. Com isso, saiba que toda empresa legalizada deve ter um CNAE para chamar de seu.

Como é uma identificação, foi realizado um agrupamento de empresas de um mesmo nicho. Em seguida, o órgão responsável por fiscalizar e definir as cobranças fez isso para que uma empresa soubesse quando deve pagar por mês em relação aos impostos.

A criação dessa identificação ajudou em diversos pontos. Isso porque não é mais necessário analisar cada caso de forma individual quando uma empresa está sendo aberta. Se uma ideia de negócio se encaixa em um CNAE, então fica fácil entrar no mundo dos empreendimentos já sabendo dos gastos que haverão com o passar do tempo.

E como dissemos anteriormente, toda empresa tem um CNAE. Por mais que você seja MEI e sim, esta empresa tenha o menor porte possível, ela precisa ter um CNAE. É essencial saber qual será a identificação numérica de sua empresa para não ter erros na hora de desenvolver o planejamento.

E como pode imaginar, pode ser necessário pagar alguns tributos devido a ter uma empresa. Um dos regimes tributários mais aderidos e preferidos por quem tem empresa é o Simples Nacional. Aproveitando o assunto, você sabe o que é CNAE Simples Nacional?

Simples Nacional: a unificação de diversos tributos em uma só guia

Antigamente, era muito comum que quando abriam empresa, as empresas pagassem diversas taxas e tributos em boletos diferentes. E entenda que isso era bastante burocrático. Mas em dezembro de 2006, tudo isso foi deixado de lado e o Simples Nacional foi criado para simplificar o processo.

Então, ao invés de cada empresário pagar uma taxa para cada imposto, quem tem empresa paga apenas uma guia que realizou essa unificação. Isso vale tanto para quem está procurando sobre CNAE Simples Nacional MEI ou empresa de outro porte. E estes são os impostos que uma mesma guia unifica:

  • IRPJ;
  • CSLL;
  • PIS/Pasep;
  • Cofins;
  • IPI;
  • ICMS;
  • ISS;
  • Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP).

Importante dizer que Simples Nacional boleto em atraso pode trazer diversos problemas para seu CNPJ, então cuidado para não entrar em dívidas assim que abrir a empresa.

O que é CNAE Simples Nacional MEI?

Criado em 2008, a MEI (Microempresa Individual) é o tipo de empresa focada em formalizar profissões e empresas que no momento, não possuem um órgão para realizar a fiscalização. O mesmo vale para a regularização. Então, este tipo de empresa é mais focado em pequenas empresas e até mesmo, para profissionais autônomas que não necessariamente, necessitam de uma formação superior.

E quem opta por abrir uma MEI, está automaticamente enquadrado no SIMEI. Basicamente, é o Simples Nacional para MEI. É claro que falando sobre a permissão, você precisa necessariamente saber se o seu tipo de empresa está dentro do CNAE Simples Nacional.

Essas pessoas precisam pagar um valor referente aos tributos, mas fique tranquilo que o preço não passa de R$ 66,60.

O preço em relação aos impostos variará de acordo com o tipo de empresa. Mas como dissemos, não deixe de pagar isso. Além de trazer problemas para seu nome, sua empresa ainda pode ficar impedida de funcionar.

CNAE Simples Nacional anexo: o que é isso?

Basicamente, todos os CNAE (que é uma identificação numérica), estão localizados em anexo. Em seguida, é hora de saber se pode ou não, optar pelo Simples Nacional. Importante dizer que existem profissionais que podem lhe ajudar por meio da CNAE Consultoria, oferecendo todo o suporte para abrir empresa.

Como saber CNAE simples nacional Receita Federal

Entender qual seu CNAE quando estiver abrindo a empresa se faz mais do essencial. Isso porque além de saber todos os possíveis gastos, ainda pode conferir se pode ser MEI ou não. Então saiba que além de um contador se fazer mais do que essencial, você ainda pode realizar uma consulta no portal do IBGE.

Dessa forma, basta selecionar o ramo de empresa que está pensando em abrir empresa e pronto, já sabe qual o CNAE Simples Nacional. Ainda importante ressaltar que você vai usar isso para tudo, então no caso de qualquer problema, seu CNAE será solicitado.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é BANNER-3-768x269.png

Quais CNAE pode ser Simples Nacional?

Existe uma infinidades de CNAE que podem optar pelo Simples Nacional, mas entenda que você pode fazer uma breve consulta por meio do site do IBGE. Quando estiver abrindo empresa, aproveite para saber se a MEI é uma possibilidade para abrir empresa. Caso seja, o CNAE Simples Nacional então está confirmado.
Como saber se o CNAE se enquadra no Simples Nacional?

Existem muitas formas de saber como saber se você pode optar pelo CNAE Simples Nacional. A maior regra é que se uma empresa pode ser MEI, então será Simples Nacional. Todas os empreendimentos deste porte são automaticamente enquadrados no SIMEI (Simples Nacional para MEI).

Fonte: 4 mãos

Link: https://4maos.com.br/cnae-simples-nacional/

Categorias
Simples Nacional

Simples nacional e profissionais liberais já podem ter acesso a ‘benefício extraordinário’ para empreendedores; veja como acessar

Se você é um microempreendedor, profissional liberal ou autônomo, certamente sofreu os impactos dos últimos dois anos. Com a chegada da pandemia e da consequente crise econômica, o mercado ficou cada vez mais complexo para quem é dono do próprio negócio.

O isolamento social e a falta de dinheiro fez com que muitas empresas decretassem falência e até mesmo fechassem suas portas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas em 2020, 522 mil (34,9%) empresas encerraram suas atividades, dentre elas, 518,4 mil (99,2%) eram de pequeno porte – com até 49 empregados.

Entre as principais causas para o encerramento estão a ausência de clientes e o baixo faturamento. O que é muito comum em momentos de crise: os consumidores somem e, com isso, o fluxo de receitas diminui.

Mas, de lá para cá, com o retorno das atividades presenciais, as coisas parecem estar melhorando. Algumas empresas conseguiram se reerguer, outras seguem de pé, porém com muitas dificuldades – e os profissionais liberais e autônomos estão lutando para buscar melhores resultados.

Neste cenário, um “benefício extraordinário” direcionado para os trabalhadores autônomos e MEI será disponibilizado nos próximos dias.

Com o intuito de ajudar este grupo de pequenos empreendedores, o “auxílio” em questão terá uma série de vantagens inéditas para profissionais liberais que precisam conquistar mais clientes e aumentar o seu faturamento.

Entretanto, essa não é a primeira vez em que o privilégio é liberado, pelo contrário. Em outros momentos, até mais críticos, o “benefício” chegou a atender diversos empresários, ajudando-os a manter seus estabelecimentos funcionando.

Em meio ao caos da pandemia do COVID-19, muitas pessoas e empresas se viram rendidas às novas normas de convivência, com o distanciamento, e principalmente a ausência das atividades presenciais.

Neste período, algumas famílias puderam contar com um auxílio emergencial, mas os microempresários e trabalhadores liberais tiveram que buscar outras alternativas de sobrevivência.

Foi neste contexto que um “benefício extraordinário” inteiramente dedicado a profissionais liberais e autônomos veio à tona. O incentivo foi uma iniciativa do Doutor em Administração pela USP, Roberto Shinyashiki.

“Quando começou o lockdown eu estava na Índia. Fiquei 2 meses isolado por lá. E, quando voltei para o Brasil, uma pessoa da minha equipe me disse que precisávamos de alguma coisa de imediato, para alavancar os negócios, pois não estava entrando mais dinheiro no caixa. Foi então que pensei nesta oportunidade,” relatou Roberto Shinyashiki.

O intuito era auxiliar os trabalhadores independentes, além de ajudá-los a conseguir mais clientes e aumentar consideravelmente a receita dos seus negócios. O que deu muito certo.

Em 2020, esta vantagem pôde ajudar centenas de profissionais a manterem seus empreendimentos funcionando e ainda a faturar mais em um momento tão delicado.

Mas, nem tudo é tão simples quanto parece.

Muitos empreendedores ainda estão enfrentando as “dores” da falta de clientes, do faturamento muito baixo e também da ausência de liberdade de criar novos projetos e, assim, inovar com seus trabalhos.

Diante desses problemas, o “benefício” será disponibilizado novamente para todos os profissionais autônomos, liberais e donos de negócios que se enquadram no Simples Nacional e se cadastrarem.

Ainda, segundo informações do IBGE, a maioria das pequenas empresas no Brasil não dura nem 10 anos. E pelo menos 1 em cada 5 fecha após um ano.

 

Dentre os principais motivos, estão:

  • Falta de um bom modelo de negócios;
  • Gestão ineficaz;
  • Ausência de consumidores;
  • Baixo faturamento e falta de capital de giro.

 

São diversos os fatores que implicam ter um empreendimento próprio. Além das questões administrativas e financeiras, existem outros pontos que precisam ser considerados por seus proprietários. Em especial, a questão mental e psicológica.

Para o Doutor em Administração e empresário Roberto Shinyashiki, um profissional liberal precisa ter uma mentalidade firme e consistente. Isso porque empreender, em alguns momentos, exige mais inteligência emocional do que técnicas de gestão.

Por isso, o empresário acredita que o acesso ao “benefício extraordinário” pode ser extremamente vantajoso neste momento. Afinal, você terá em mãos a ferramenta para solucionar as “dores” do seu negócio e ainda poder garantir o conhecimento necessário para seguir firme com seus objetivos profissionais.

Fonte: Jornal Contábil

Fonte: Tributa.Net

Link: https://www.tributa.net/simples-nacional-e-profissionais-liberais-ja-podem-ter-acesso-a-beneficio-extraordinario-para-empreendedores-veja-como-acessar